domingo, 26 de novembro de 2017

LETRAS ESQUECIDAS, APAGADAS, RASGADAS, ABANDONADAS. O QUE TAMBÉM É UMA FORMA DE TRABALHO

      Me pego meio que vadiando em meio a arquivos que tento ordenar, alguns nem tão velhos assim e me dá vontade de fazer uma postagem também vadia, também relapsa e capaz, não sei, de chatear talvez alguns dos meus parceiros musicais, por revelar o que não está pronto ainda, ou não ficará pronto, ou caiu esquecido em algum desvão, enfim... me pego aqui às voltas com algumas letras que escrevi e que algumas estão musicadas por parceiros, outras não, outras em  processo de feitura, pelo que peço desculpas aos amigos parceiros envolvidos – ou não.  Desculpas não são devidas porque considero cada vez mais o esquecimento, o abandono, a desistência – quando e se deixam de sê-lo movido pelas inescrutáveis leis do acaso – são também uma forma de trabalho de criação.   Vou dispor algumas dessas letras e começo por uma muito antiga, mas muito antiga mesmo, de cuja existência eu sequer lembrava e que foi musicada pelo querido Paulinho Lêmos há uns 30 anos, e gravada num CD que ele fez em 2002 em Portugal.  Como há uns dois anos ele me deu esse CD, eu  vim a lembrar dela.

         Eis:   COMIDA (LUXO)
         Carne de bicho
         carne de lixo
         é luxo
         tripa de trapo
         tripa de sapo
         é sopa
         tripa de luxo
         carne de sopa
         boca aberta
         não entra

         nada 

Com Paulinho Lêmos




       Falando em não lembrar do que escrevi, o que me é muito comum,  me deparei outro dia com uma aqui que gostei de saber que fui eu que escrevi – o que não é assim tão comum.

         OUTONO

         Outono e sua tez
Seu tom
Seu tônus
Outono,  aqui me dês
Tua mão
Tua névoa
Desde a manhã
A limpidez
A luz
Que atravessa a treva
Do que não é outono
E não se sabe dizer
O que seja

         E por falar em antiga, tem uma também que está com o chapa Eduardo Aguiar e que parece que vem por aí em CD que está sendo gravado. Ficou anos engavetada, acabei mostrando a ele, que parece ter se convencido – mais do que eu – de que valia a pena transformar em canção.   É esta, cujo título acaba por assumir uma dimensão quase metapoética ante minha dúvida quanto ao que vale:

PODE SER ILUSÃO

Pode ser ilusão
pode ser que não
pode ser sinal
de que seja vão
pode ser de nascença
solidão

Só de ser talvez
só de se achar
perdida outra vez
doida direção
só de procurar
sofreguidão

Basta vislumbrar
o vulto da mulher
a se multiplicar
em mulher e mais
mulher e mais
nenhuma
nem uma sequer
qualquer

Onde me encontrar
como compreender
o que faz sofrer
o que faz soprar
o que faz morder
quando dá
e quando não dá
pra saber

Tudo de prazer
tudo de gozar
tudo de querer
não parar e ir
mais além do que aqui
jaz.

Uma das primeiras letras que fiz para Fred Martins, no começo dos anos 90 recebeu melodia, um samba ágil que nunca foi gravado (Fred acha que não, mas eu acho que ela tem um probleminha de ajuste letra/melodia, que a gente nunca sentou pra tentar solucionar).  Ela homenageia um bairro de Niterói, cujo nome eu adoro (os niteroienses falam só "Viçoso"), que remete ao Eden e, lastimavelmente, é onde fica o lixão da cidade.  E mais lastimavelmente ainda foi onde em abril de 2010 ocorreu o terrível desmoronamento do que ficou conhecido como Morro do Bumba, uma das nossas mazelas mais renitentes, que acabam sempre resvalando para a conta da fatalidade e da impunidade dos responsáveis.  Mas nosso samba é bem anterior a isso:

VIÇOSO JARDIM

Depois que o Jardim do Eden fechou as portas
A gente ficou circulando por ali
Perambulando sem ter muito o que fazer
Andando pra lá e pra cá
Só pra ver o que ia dar:
Homem ou mulher?
Sorte ou azar?
Noite ou dia?
Andar por andar
Depois a cada passo só pra espairecer
Passou a noite inteira e de cansaço
A gente se sentou num banco
Posto ali pelo acaso
Até adivinhar o dia vir nascer
Acumulando ratos
Molambos
E os carros da limpeza urbana
Ensolarados acordaram os jardins da cidade



Vista do Morro do Bumba, foto de Marcos de Paula

       Já “Madame Maldade” resultou numa canção das mais bem sucedidas, não somente pela letra, mas também pela melodia maravilhosa que lhe pôs Fred Martins, um samba buliçoso, debochado e sacana.  Já a postei aqui no blog, vocês acham fácil – e a canção está também aí pelos youtubes da vida.  O que não sei é se cheguei a mostrar ao Fred uma retomada da saga da detestável personagem, dondoca de cuja estirpe, pessoal e infelizmente ,  conheço tantas.  Comecei a escrever e deixei pra lá, mas cheguei a rascunhar assim:

Madame guardou as panelas
Já não precisa mais delas
Um tanto amassadas ao fundo
E os cabos soltando as ruelas
Madame guardou as panelas
E toda a revolta do mundo
E diz que a Judite
É que sabe o que fazer com elas

Diz que leva fé na mudança
Contribui para o criança-esperança
E se sente como quem financiou
(e financiou)
Agora é tratar de ajeitar
As suas próprias as finanças
Que não tá  fácil pra quem não vive de  herança
Mas Madame demonstra confiança
E mesmo levando ferro Madame diz que tudo mudou
(pra melhor, sim senhor)

Madame guardou as panelas
Porque
Já não precisa mais delas
Um tanto amassadas ao fundo
E os cabos soltando as ruelas
Madame guardou as panelas
E diz que a Judite vai dar jeito nelas

(Voltou tudo a ser como antes
Quem manda no quartel de Abrantes
É o Abrantes)

Diverti-me bastante também, neste país enlouquecido, com a maravilhosa estorinha inventada por Chico Buarque dos autores secretos de suas canções, que ele conscienciosamente compra em troca de sigilo, em especial de um Ahmed, excelente artesão cujos serviços ele não tem como dispensar.  Que uma molecagem bem-humorada dessas tenha sido levada a sério por inúmeras pessoas, diz bem da nossa piração nacional, convidativa num primeiro momento à galhofa e, na sequência, ao suicídio. Com vocês...

PRAZER, AHMED (DELAÇÃO PREMIADA)

[Introdução falada: Meu prêmio é o reconhecimento de  vocês
chega de Chico Buarque, meu nome é Ahmed
chegou a minha vez]

Olá
eu sou o Ahmed
meu caro amigo
resolvi me apresentar
cansei
do anonimato
saiu barato
esse tempo todo  sem poder
cumprimentar
sequer um fã
a cada vez
que eu o ouvia
alegremente
assoviar   uma melodia minha
vendida a preço vil na camarinha
mafiosa da canção popular

A gente cansa de não ser conhecido por  vocês
desde que “A banda” estourou   em 66
depois “Roda viva”, “Sabiá” , “Construção”
tantos anos de exílio e de perseguição
daqueles caras que fizeram sua glória
e o nosso nome  na sombra triste da história

Então
já nada impede
o esconderijo
eu decidi abandonar
e mais além
de tudo isso
o compromisso
ficou difícil demais de poder
segurar
e no afã
de cada vez
que eu escutava
alguém chegar e elogiar
o que eu fiz bem em  caprichar
pra vender a preço vil
e ser o amigo barato
do grande gênio popular

Sei que errei  e por isso me penitencio
hoje eu venho delatar e não mais me silencio
falo em meu nome e no de mais  gente
que precisa se mostrar urgentemente
e denunciar esse conglomerado vil
feito de Chico, Caetano, Milton, Gil
(e outros mais)

Pois é
vou  te contar
o ghost writer
resolveu se aposentar
viver
de b em com a vida
desimpedida
de curtir o prazer que a vida
pede e dá
e sempre deu
a quem comprou
e assinou
impunemente
(breque):
E fez seu nome com as nossas criações
e agora perante o juiz
eu reconheço
sou réu confesso e bem pago
por meus pecados
e pelas minhas confissões.


Uma possível identidade secreta de Ahmed


        Esse mesmo país enlouquecido fez com que eu escrevesse esta, amarga, sem espírito de galhofa possível:

         PESADELO CIVIL

Vivo em pesadelo civil
melhor nem dormir
diz o amigo
melhor não acordar
digo comigo
tanto acordo
quanto durmo
em pesadelo civil
sigo e prossigo
em pesadelo civil
Lá fora e aqui dentro tudo
se eu durmo
ou se vigio
Acordrumo drumacordo
drama bruma pesada
morto vivo
morro e vivo
em pesadelo civil
Sono sem sonhos
só sustos e arrancos
de colapsos
trapaças
catástrofes, trancos
tiros nas trancas
arrombos arroubos
de podres torpezas
trincos nos dentes
sangue nas tranças
das crianças
em pedaços
como cães
raivosos
Pesadelo civil
Pesadelo civil
Pesadelo civil

         É claro que as letras sempre pressupõem um trabalho de ajuste, o que escrevo ou – mais raramente,  mas por vezes também acontece – a canção delineada em melodia com ideia e/ou rascunhos de letra que venha do parceiro passa por um processo de re-feitura, que às vezes se radicaliza.  Foi o que aconteceu com um poema – e já aconteceu mais de uma vez - que postei aqui mesmo, chamado “Os desvisíveis”, de que Fred pegou e musicou.  Mexemos no texto, acho que ficou a contento, não sei exato o que ele pensa, mas ele me diz que gravou num CD que anda produzindo  com o incrível percussionista Marcos Suzano, não sei se com a letra como dou abaixo.  Vou postar o poema que, depois de virar letra mudou de titulo:  “Desvisíveis nunca mais”.

         OS DESVISÍVEIS (poema)

Onde não havia ninguém
         - nem vestígio
                  indício 
                            perdido de vista no fundo do
                            precipício
só silêncio abafando
         o suplício de todo
         dia até o fim desde
o início
dos tempos coloniais

-  então quando os invisíveis se tornam
visíveis

impossível será torná-los
desvisíveis

não mais




DESVISÍVEIS NUNCA MAIS (letra)

Onde não tinha ninguém
Nem ruído nem  indício
Perdido de vista no fundo
Do precipício

Só o silêncio abafando
O suplício de todo dia
Todo dia até o fim
Desde o início
Dos tempos coloniais

Invisíveis dessangrando
No suplício de todo dia
Todo dia até o fim
Desde o início
Desvisíveis nunca mais


Com alguns dos envolvidos:  em pé, Marcelo Diniz (Mestre nunca igualado!), sentados Fred Martins e Eduardo Aguiar

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

TORQUATO: 9 E 10 DE NOVEMBRO

Pela porta de entrada
a mesma de saída
encalacrada
lacrada
escorpião em chamas
dos bueiros de Copa
para os lajedos de Teresina
uma imensa dívida
tenho contigo
Torquato,
teu eco
em mim ainda hoje
no meu torto caminho
de menos coragem
que a tua
e uma quietude
que anula o vigor
e de tanatos
lhe afrouxa a vigília
no país tanatizado
por lacraus ferozes
saindo à luz
dos subterrâneos
com halos
com auréolas
adornando-lhes
os ferrões,
parece
de novo
que a prova dos nove
não fecha.


domingo, 29 de outubro de 2017

O GATO METONÍMICO

                                        ou: Disiecta membra




cabeça de camundongo
de calango língua
pé de galinha
rabo de lagartixa
penas de sabiá
cambacica
juriti
carriça
carapaça de escaravelho
ao sol ressecada
pele de jararaca
escamas da sardinha roubada
à beira da vala me olha com olhos de rã
gourmet rigoroso
à sua maneira

o gato oferece
suas metonímias

sábado, 7 de outubro de 2017

NUNO RAU: CINCO POEMAS DE MECÂNICA APLICADA





ZEITGEIST, OU PARAPSICOLOGIA DA COMPOSIÇÃO

                            para Roberto Bozzetti

o Espírito do Tempo eu nunca vi:
devo estar cego, ou ando desfocado,
se pra cavalo deste santo irado
não mostro vocação nem pedigree.
Não sei se escrito ou psicografado,
me dizem que ele anda por aí
disperso, esparso em tudo o quanto li,
e eu procurando aqui, bem do meu lado.
Mas não me cabem passos nesta dança,
só a sensação de ter perdido o bonde
e visto as tais flores no ar [sem hastes],
quando, virando cabos e esperanças,
uma voz sussurrava não sei onde:
“Ainda é cedo, amor, mal começaste...”




SÁBADO EM COPACABANA

a menina olha o mar
do outro lado da avenida  Ela está parada
no calçadão enquanto
os carros passam
as noites passam
as suas chances
passam enquanto seu olhos
trilham o meio do breu das águas
e se perguntam onde foram parar
os dólares e os euros
que clientes americanos e italianos
largavam por cima
do lençol molhado de suor
e esperma  Ela não sabe que a máquina
de imprimir notas verdes
está emperrada no além
do breu das águas e os gringos
andam agora com as mãos
nos bolsos no olho
da rua  Ela tem sonhos
psycho em que dança
nua com as colunas de uma igreja
abandonada entre
orgasmos
numa batida trance
numa batida trance
numa batida trance  Ela
tem sonhos ácidos em que seus dedos
gozam quando tocam as notas
verdes que saltam de uma pauta
como cédulas de cinquenta
na batida
do funk  Ela tem sonhos
mínimos em que seu corpo
acende feito neon quando milhões
de mãos se esfregam
em suas pernas
perfeitas de cleópatra
do subúrbio
e seus poros aspiram moedas
que douram seus pelos
como água oxigenada e vão
direto para a conta
bancária do paraíso
fiscal através de cabos
subterrâneos  Copacabana
é um delírio nas retinas, este lugar
é um sonho em que você
não consegue dormir uma noite
que seja, ela
pensa de dentro
do inferninho da beira da praia
à meia-luz  Ela tem sonhos
turvos com um nirvana
cheio de lojas que seu dinheiro
pode comprar porque Copacabana
tatuou em sua pele
com saliva
todas as línguas
que o mundo fala
quando  não quer
dizer nada








FRAGMENTAÇÃO


tenho escrito poemas
aos pedaços, espalhados
por e-mails, contra-
capas,  guardanapos, mensagens
instantâneas, na verdade
qualquer pedaço de papel
que me olhe com sua interrogação
branca, seu jeito
de esfinge dando bandeira em cima
de um móvel, mata-
borrão de palavras fazendo
pose de papiros, tenho
escrito poemas
em pedaços que não quero
juntar, tenho pedido às canetas
que falhem, às teclas
que emperrem quando
envio cada fragmento
a um destino diferente, rasurando
os vínculos, perdendo
a linha como quem deleta
um telefone importante, tenho
esperado que os amigos
se distraiam entre as amenidades
com que disfarço o contrabando
das palavras, tenho lido
muitos poemas e sinto
tédio frente ao presente
que ainda pretende
chocar quando retiro
os andaimes e o impacto
não penetra além
da película, imagem.  Então, pra ver tudo
melhor arranquei
meus olhos e joguei no fundo de um copo
sem fundo – é de lá que passei
a interrogar o abismo
dos céus como um burocrata afogado
em papéis velhos enquanto anjos
sem pedigree entoam salmos
punks de três acordes, distorção
amplificada e loop
frenético diante da parede
transparente onde rabisco
versos com uma tinta
tão negra que a grande noite
dos séculos não vai deixar
ninguém ler.



NO ALÉM DO LABIRINTO

                   para Antonio Cícero

agora o mar, um útero, me aguarda
gelado, e o choque logo transformado
em asfixia [e dela, num só passo
áspero e rápido, ao balé que as algas
fantasmagóricas desenham na água]
não assusta, nem antes o sol claro
contra o azul infinito recortado
com seu halo, nem a visão das vagas
e das terras ao longe que eu tanto
quis um dia conhecer, nem a brisa
que do calor do sol me distraía.
Tudo isso pensava ontem quando
olhava seu rosto e algo me vinha
do futuro, num susto, e você ria.



ARS POÉTICA

diga logo e que você tem a dizer e saia


Nuno Rau.  Mecânica aplicada.  São Paulo: Patuá, 2017.